APCV

    Estilos de Cerveja 

    São várias as classificações que se podem escolher para diferenciar os diversos estilos de cervejas. Há quem prefira classificá-las pelo tipo de fermentação, sendo que, deste modo, se formam dois grandes grupos: as Ale (cervejas de alta fermentação) e as Lager (cervejas de baixa fermentação). As cervejas podem classificar-se quanto ao teor alcoólico e ao extrato primitivo, em "cerveja sem álcool", "cerveja com baixo teor alcoólico", "cerveja corrente", " cerveja especial" e "cerveja extra".

       

    Por ser a mais difundida e por nos parecer a mais correta, adotaremos a divisão que habitualmente é feita tendo por base o processo de fermentação. Assim sendo, falaremos das Ale, das Lager e ainda duma terceira família, mais pequena do que as outras mas por certo mais antiga: as cervejas de fermentação espontânea. 

    Ale

    Sucintamente, o que difere uma cerveja Ale de uma cerveja Lager? Basicamente, a levedura utilizada e, consequentemente, o processo de fermentação. No caso das Ale, a fermentação dá-se num ambiente de temperatura relativamente alta, entre 15º a 24º C ou mesmo mais. Já as Lager requerem temperaturas entre os 8º e os 14º C. Após a fermentação, nas cervejas Ale a levedura sobrenada a cerveja, no fermentador e nas cervejas Lager deposita-se no fundo do mesmo.

    Em resultado desta diferença, as Ale têm uma maior gama de aromas e sabores influenciados pela levedura, habitualmente com notas frutadas complexas ou a especiarias, por exemplo; já as Lager produzem um sabor mais limpo, com maior expressão das características transmitidas pelos cereais e pelo lúpulo.

    Na prática há situações em que é difícil dizer se uma determinada cerveja é da família das Ale ou das Lager. Se uma Pilsner é notoriamente uma Lager e uma Imperial Stout uma Ale, o que dizer de certas Doppelbock? São Lagers, por conceito e formulação, mas muitas têm espírito de Ale.  Para além do mais, dentro destas duas famílias existem dezenas de estilos, alguns com diferenças muito subtis entre si.

    Dado ter sido no Reino Unido e nos E.U.A. que se desenvolveu a definição dos estilos cervejeiros, a maioria deles tem ainda a sua designação em inglês. Vejamos então as características de alguns dos mais importantes estilos de cerveja. ver texto completo

    Lager

    As Lager são o tipo de cerveja mais comum, quer em Portugal, quer no resto do mundo. Tal não quer dizer que sejam a melhor família: isso depende muito do gosto de cada pessoa e da facilidade com que se tem acesso a outros tipos de cerveja. A palavra deriva do alemão lagern que significa algo como armazenar. Este termo referia-se ao hábito que se tinha de armazenar este tipo de cervejas em locais onde a temperatura era muito baixa e isto por longos períodos de tempo, antes de se passar à fase de consumo propriamente dita.

    As suas origens remontam à Baviera, local onde os mestres cervejeiros tinham por hábito guardar os seus produtos em caves muito frias, onde se processava a maturação. Esses produtos, as Lagerbier, eram o resultado de anos de desenvolvimento de técnicas de refrigeração e de utilização de um fermento especial. A principal diferença dessa levedura para a que se utilizava no resto da Europa residia no facto de o seu depósito ficar no fundo após a fermentação, ao contrário das Ale, cujo resíduo subia ao topo.

    O desenvolvimento das Lager teve um grande impulso entre os anos de 1820 a 1830, altura em que Gabriel Sedlmayr II, familiar dos donos da Cervejeira Spaten, viajou pela Europa à procura de técnicas que lhe permitissem desenvolver os seus dotes cervejeiros. Ao regressar dessa viagem, ele usou os seus novos conhecimentos para criar uma Lager mais consistente e estável. Apesar disso, as Lager desse período ainda eram bem diferentes do produto que conhecemos hoje em dia, muito por causa da água de Munique, que fazia com que as cervejas ficassem escuras e "pesadas". Não restem no entanto dúvidas de que os progressos de Sedlmayr foram importantíssimos e tal facto é facilmente percetível ao verificarmos que a receita que ele desenvolveu se espalhou rapidamente por toda a Europa. Como exemplo, refira-se que o seu amigo Anton Dreher utilizou a nova técnica para melhorar a cerveja Vienense, já que a água da capital austríaca permitia o uso de um malte mais suave, o que dava à cerveja uma característica cor âmbar-vermelha. A nova receita também chegou à Boémia, onde a técnica foi aperfeiçoada. No ano de 1842, na cidade de Plzen, Josef Groll, jovem originário da Baviera, utilizou um malte diferente do habitual que, em combinação com a água muito leve da localidade, deu origem a uma cerveja cor de ouro e muito clara. Esta experiência daria origem à Pilsener ou Pilsner, estilo que rapidamente se espalhou com grande sucesso pela Europa. Atualmente, a Pilsener é uma cerveja clara, com um volume pronunciado de gás, sabor lupulado e uma percentagem de álcool que varia entre 4% a 6%. A Pilsner Urquell (Pilsener Original) é o exemplo típico de uma cerveja Pilsener. A maior parte das Lager atuais baseiam-se neste estilo, apesar de terem perdido muito do seu amargor característico. ver texto completo

    Fermentação Espontânea e Fermentação Mista

    As cervejas elaboradas pelo método de fermentação espontânea, naturalmente o mais antigo de todos, resultam da ação de micro-organismos existentes no ar. São essas leveduras selvagens e bactérias que se encontram no meio ambiente onde a cerveja está a ser produzida que irão promover o processo de fermentação.

    São, habitualmente, cervejas de elevada acidez. Já as cervejas de fermentação mista derivam da combinação de métodos da fermentação espontânea e da fermentação alta (tipo Ale).

     

    Lambic-Faro - A Faro é uma mistura de Lambics à qual é adicionado açúcar ou açúcar candi, de modo a que se torne mais leve, doce e apelativa ao palato da maioria dos consumidores. Podem ser condimentadas com pimenta ou casca de laranja, apesar destes géneros não terem grande aceitação. Tornam-se, em geral, demasiado doces, pelo que se aconselha a servi-las bem frescas. É uma cerveja muito leve e tendencialmente. ver texto completo

    Estilos Híbridos e Outras Bebidas Fermentadas

    Por estilo híbrido pretende-se catalogar todas aquelas cervejas que possuem uma característica específica, que as permite agrupar, sendo que no entanto a sua família de origem tanto pode ser as Ale como as Lager.

    Flemish Sour Ale – Cervejas comuns na Flandres, podem variar entre o vermelho e o castanho, com álcool entre os 4% e os 8%, sendo que o seu forte sabor a vinagre e fruta lhes é conferido por um método de fermentação especial.

    São cervejas bastante complexas, produzidas segundo métodos muito antigos, estagiam algum tempo em cascos de carvalho e o resultado final é, habitualmente, o resultado da mistura de cervejas novas com outras mais antigas. ver texto completo